Sobre o fim do mundo

quark template 22pg.qx“É o fim do mundo” Eu disse para a mulher que estava sentada ao meu lado no metrô olhando as notícias pelo celular de forma desinteressada e maçante, o que era normal para quem havia acabado de sair do trabalho e rastejava para casa. Ela leu títulos de notícias sobre guerra, violência, fome e morte e não parecia estar surpresa. Ela assentiu para mim, sem falar nada ou olhar em minha direção, com certeza achando que eu era daquele tipo de homem que gosta de importunar mulheres indefesas em transportes públicos. Estou acostumado a não ser notado de verdade até chegar um momento inevitável na vida de uma pessoa.

Se você me perguntar quantos anos tenho, não saberei responder exatamente, mas são muitos. Não faço aniversário e nem sei quando nasci, apenas estou aqui desde sempre. Desde que consigo me lembrar, imutável. Desde antes do primeiro ser humano existir, mas por comodidade me permiti pegar emprestado sua forma. Muito provavelmente, ainda estarei aqui quando o último ser humano perecer e até depois disso. Porque é deste modo que o mundo funciona: por ciclos. O ciclo da humanidade está ao rumo do fim e está cada vez mais próximo da pior fase que um ciclo pode ter. O que me deixa cheio de trabalho com o passar dos dias.

Do mesmo modo que sei tudo sobre o passado, sei tudo sobre o presente e sei tudo sobre o futuro. Sei exatamente o dia em que o mundo se criou e sei exatamente o dia em que chegará ao fim. Por exemplo, sei que ao sair da estação do metrô, a mulher ao meu lado será assaltada por um rapaz que, por estar drogado, lhe dará cinco facadas. É aí que eu entro em cena! Eu tenho que me certificar que este rapaz esteja desesperado, por não ter dinheiro para comprar mais pedra, para que a mulher encontre seu fatídico destino de virar mais uma notícia sobre violência no jornal matinal.

Afinal, quem você acha que deu as drogas à Janis Joplin até ela ter uma overdose? Quem fez o assassino de Kennedy puxar o gatilho? Quem sussurrou para Kurt Cobain os pensamentos suicidas? E quem você acha que disseminou a ideia da criação da Al-Qaeda? É sujo, porém necessário. Acredite, não fui eu quem planejou a coisa toda, estou apenas seguindo ordens.

A cada dia que se passa, mais observo a humanidade se punir pelas próprias mãos. O fim do ciclo virá através de uma guerra silenciosa e que não será noticiada até chegar ao seu ápice, e trará consigo uma doença nunca vista antes, sintetizada em laboratório. Os poucos humanos que sobreviverão, vão encontrar seu fim pela fome ou pelo ódio natural que existe desde os primórdios.

Mais ciclos virão depois desse, claro, e todos chegarão ao fim também. Eu estarei lá para acompanhar até o último deles. Todos me conhecerão uma hora ou outra. Inclusive você, mas não é nada pessoal, é apenas o meu trabalho.

Anúncios